"Eu sou" (Jo 8,58)




Às vezes é engraçado ouvir duas pessoas que conversam, mas não falam sobre o mesmo assunto. Pelo menos um dos dois interlocutores é surdo. Isso é chamado o diálogo dos surdos. Os ouvintes de Jesus são surdos desde o capítulo 7, que entendem apenas o aparecimento das declarações de Cristo, enquanto ele fala de realidades profundas e espirituais.

Através desta passagem evangélica, João quer nos levar ao coração do nosso Salvador que revela um fato desconhecido para os judeus: que Abraão viu e se alegrou ao contemplar o dia de Jesus.

Nesta revelação Jesus mostra-se possuindo a visão eterna de Deus. Mas, sobretudo manifesta-se como alguém preexistente e presente no tempo de Abraão. Ele revela a esses oponentes que Abraão havia contemplado o dia de sua vinda e se alegrou com ele.

De acordo com as aparições temporais, os judeus declaram que é impossível que Abraão, que viveu mil e oitocentos anos (1800) sobre Jesus, pudesse ter visto o Messias. Como ele poderia se alegrar com essa visão? A resposta de Jesus é uma afirmação enfática de sua pré-existência divina. Ele se apresenta a eles como uma presença de vida, e proclama sua divindade com poder.

«Em verdade, em verdade, vos digo: antes que Abraão existisse, eu sou» (Jo 8,58)

Não só antecede Abraão, mas é acima de tudo criatura, pois "Eu SOU" a eterna Palavra de Deus (Jo 1.1). Deus se refere a si mesmo na tradição transmitida por Moisés como a

existência por excelência, "Eu SOU". (Ex 3.14) Ele está perfeitamente presente em seu enviado, que pode afirmar como o Pai "Eu SOU". Através de sua fé, Abraão viu e comungou com seu Senhor e confiou-se à promessa de salvação que Deus lhe havia oferecido. Como qualquer crente que espera em Deus receber a vida, Abraão se alegrou com essa esperança.

O cristianismo é mais que um conjunto de regras morais elevadas como podem ser o amor perfeito, ou, inclusive, o perdão. O cristianismo é a fé numa pessoa. Jesus é Deus e homem verdadeiro. «Perfeito Deus e perfeito Homem», diz o Símbolo Atanasiano.

No plano de Deus, Cristo Jesus era para ser a coroação e o centro de toda a história humana. Abraão e todos aqueles que não conheciam o Filho de Deus diretamente foram capazes de expressar sua confiança em seu Senhor e aderir ao seu projeto de vida eterna por acreditar na humanidade. Deus queria salvá-los todos por seu Provedor de Justiça, Seu Filho que veio ao nosso mundo.

Deus abençoe você!


Pe. Richard Gerard, CS

PARÓQUIA SÃO JOSÉ E SANTA FELICIDADE

Missionários Scalabrinianos - Arquidiocese de Curitiba

 

Telefone/WhatsApp: 41 3372 1417

paroquiasantafelicidade@mitradecuritiba.org.br

Av. Manoel Ribas, 6252 - Santa Felicidade, Curitiba, PR

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon
  • Grey YouTube Icon

© 2020 Paróquia São José e Santa Felicidade - Todos os direitos reservados

Desenvolvido pela Pastoral da Comunicação