Não há amor sem cruz

XXII (A), Domingo


Deus me livre, Senhor; isso nunca vai acontecer com você



Estamos na grande virada da vida de Jesus: o ministério na Galileia está chegando ao fim e, apesar do sinal da multiplicação dos pães, a hostilidade dos fariseus e saduceus não desarma. E daí em diante Jesus se dedicará prioritariamente à formação do pequeno grupo de seus discípulos imediatos e anuncia a sua paixão.

Foi então que o bom senso de Pedro, que acaba de fazer sua bela profissão de fé—como vemos no Evangelho do XXI Domingo—: "Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo"; e merece um grande elogio por parte de Jesus e a promessa da autoridade máxima dentro da Igreja (cf. Mt 16,16-19), começou a se rebelar: "Deus me livre, Senhor, isso não acontecerá com você!"

Diz isso porque para ele o caminho da cruz é uma derrota e não uma vitória de Deus.

Portanto, Pedro não pode aceitar ver Jesus sofrer.


Não condenamos e não desprezamos o homem galileu - Pedro -, porque também nós nos comportamos como ele, Preferiríamos um Cristo sem mistério, sem história e sem cruz; preferiríamos Betânia sem Calvário, Bem-aventuranças sem renúncias. Muitas vezes pedimos a Deus que se oponha à sua sabedoria e siga a nossa; pedimos a Deus que refaça nossa vontade e coloque sua vontade de lado.


“Para trás, inimigo! », Jesus nos diz como a Pedro, tu estás sendo para mim uma pedra de tropeço, pois não tens em mente as coisas de Deus, e sim, as dos homens!» (Mt 16,23).

Se você quer me seguir, “tome sua cruz.”

Não uma cruz imaginária e angustiante, mas a realidade de sua vida, as limitações de sua saúde, o peso de suas responsabilidades, a preocupação com todos aqueles que você ama. Assuma as consequências de sua história emocional com um sorriso; não tenha mais medo das cicatrizes que a vida deixou em você, e pare de se olhar no espelho dos outros. Pega a tua cruz e, acima de tudo, não deixes de me seguir! "Quem quiser salvar a sua vida a perderá", acrescenta Jesus, mas "quem perde a vida por minha causa, a encontrará".

De fato, quem pega a sua cruz começa a viver, seguindo o Mestre. E aqui está "a admirável troca": o homem foi feito perdedor e ganhou. Muitas vezes ele perdeu, mas ele encontrou sua alma, ele encontrou um sentido em sua vida.

Quem pega a cruz começa a pensar como Deus, quer dizer a amar, com tudo o que isso comporta de renúncia pelo bem do próximo.


Não há amor sem cruz, qualquer pessoa pode experimentar esta verdade. Seja no casal, na família, na comunidade religiosa, em todos os lugares. Por que? Porque não há vida sem presente trocado, sem morte para si mesmo. É uma lei da natureza: “Se o grão de trigo não morre, fica só ...”.

Carregar a cruz é aceitar o risco da fidelidade, o risco de ser incompreendido, ridicularizado. É aceitar dar prioridade ao serviço ao próximo. Isso significa deixar de considerar a própria pessoa como medida de tudo e negar o pertencimento idólatra a si mesmo; quem renuncia a este comportamento deixa de se justificar e, por amor de Cristo, aceita também carregar o peso da cruz, instrumento de sua própria sentença de morte.

Pe. Richard Gerard, CS

PARÓQUIA SÃO JOSÉ E SANTA FELICIDADE

Missionários Scalabrinianos - Arquidiocese de Curitiba

 

Telefone/WhatsApp: 41 3372 1417

paroquiasantafelicidade@mitradecuritiba.org.br

Av. Manoel Ribas, 6252 - Santa Felicidade, Curitiba, PR

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon
  • Grey YouTube Icon

© 2020 Paróquia São José e Santa Felicidade - Todos os direitos reservados

Desenvolvido pela Pastoral da Comunicação